É seguro omitir a irradiação das regiões do pescoço com linfonodos cervicais patologicamente negativos?

 

 

 

 

 

 

 

Por Diego Rezende – radioncologista da Oncoclínicas de Recife e membro do GBCP

            Estudo publicado no Journal of Clinical Oncologyem junho de 2019 avaliou a segurança oncológica de omitirmos a irradiação das regiões cervicais com linfonodos patologicamente negativos em pacientes com carcinoma de células escamosas (CEC) de cabeça e pescoço operados. O objetivo desta estratégia seria o de proporcionar controle local satisfatório no pescoço não-irradiado e, ao mesmo tempo, minimizar as possíveis toxicidades agudas e tardias decorrentes da radioterapia o que poderia se traduzir em melhor qualidade de vida para os pacientes.

Neste estudo de fase II conduzido pela Universidade de Washington, 72 pacientes com CEC de cabeça e pescoço localmente avançado (93% dos pacientes tinham tumores estágio III ou IV e em 71% dos casos o tumor atingia ou ultrapassava a linha média) foram submetidos à ressecção do tumor primário e esvaziamento cervical uni ou bilateral seguidos de radioterapia adjuvante com omissão da irradiação das estações linfonodais patologicamente negativas. O endpointprimário foi a taxa de recorrência no pescoço não-irradiado a qual deveria ser superior a 90%. Após seguimento de 53 meses, os resultados publicados foram excelentes com apenas 02 falhas no pescoço não-irradiado. Ambos os casos tinham tumores de cavidade oral (língua oral e assoalho de boca), haviam recebido radioterapia adjuvante restrita ao leito cirúrgico e apresentaram recidiva local associada. A taxa de controle do pescoço não-irradiado foi de 97% e o controle local, o controle regional, a sobrevida livre de progressão e a sobrevida global em 05 anos foram de 84%, 93%, 60% e 64%, respectivamente. As avaliações de qualidade de vida não evidenciaram impacto negativo 01 e 02 anos após o término do tratamento.

É importante destacar que no estudo 82% dos pacientes foram estadiados com PET-CT, todos os pacientes tinham o pescoço contralateral clinicamente e radiologicamente negativo e 92% dos pacientes foram submetidos à esvaziamento cervical bilateral com número mediano de 28,5 linfonodos ressecados no pescoço ipsilateral e mais de 10 linfonodos ressecados no pescoço contralateral em 81% dos pacientes.

            A relevância e as contribuições do estudo são inegáveis e os desfechos oncológicos apresentados são bastante animadores mesmo após redução do volume de tratamento radioterápico. Entretanto, o estudo deve ser visto e analisado como um gerador de hipóteses e não como um estudo definidor de novas condutas. Neste cenário, é fundamental termos em mente que se trata de estudo não-randomizado de fase II com número restrito de pacientes altamente selecionados e que a segurança oncológica de tais resultados necessita de validação futura em estudos randomizados fase III de não-inferioridade antes que hajam mudanças nas condutas consideradas como padrão atualmente. A avaliação do real impacto da redução do volume de tratamento radioterápicos sobre a qualidade de vida dos pacientes também é imprescindível neste contexto.

 

Referência bibliográfica:

Contreras JA, et al. Eliminating Postoperative Radiation to the Pathologically Node-Negative Neck: Long-Term Results of a Prospective Phase II Study. J Clin Oncol. 2019 Jun 27:JCO1900186. doi: 10.1200/JCO.19.00186. [Epub ahead of print]

 

 

 

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com apk4phone.com