top of page

Nivolumabe mais Ipilimumabe não melhorou sobrevida de pacientes com carcinoma de células escamosas





Nivolumabe mais Ipilimumabe não melhorou sobrevida de pacientes com carcinoma de células escamosas da cabeça e pescoço, aponta estudo



Publicado em dezembro na revista científica Journal of Clinical Oncology, o estudo de fase III, randomizado e aberto, buscou comparar Nivolumabe associado com Ipilimumabe com o regime extremo como tratamento de primeira linha em pacientes com câncer de cabeça e pescoço de células escamosas metastático ou recorrente.


Contudo, os dados divulgados em “Nivolumab Plus Ipilimumab Versus EXTREME Regimen as First-Line Treatment for Recurrent/Metastatic Squamous Cell Carcinoma of the Head and Neck: The Final Results of CheckMate 651” não obtiveram resultado positivo.


Na conclusão da pesquisa intitulada CheckMate 651, os pesquisadores constataram que Nivolumabe mais Ipilimumabe de primeira linha não melhorou a sobrevida global de pacientes com carcinoma espinocelular recorrente ou metastático de cabeça e pescoço (SCCHN), em comparação com o regime EXTREME (cetuximabe mais cisplatina/carboplatina mais fluorouracilo <= 6 ciclos seguidos de manutenção com cetuximabe).


No estudo aberto, 947 pacientes com SCCHN recorrente ou metastático que não receberam nenhum tratamento sistêmico anterior foram designados aleatoriamente em uma base de 1 para 1 para receber Nivolumabe mais Ipilimumabe (n = 472) ou EXTREME (n = 475). No braço Nivolumabe mais Ipilimumabe, 39,2% tiveram pontuação positiva combinada PD-L1 (CPS) >= 20, em comparação com 37,5% no braço EXTREME. Os pontos finais primários deste estudo foram a sobrevida global em todas as populações aleatoriamente designadas e CPS >= 20.


A convidada pelo GBCP para comentar o trabalho é a oncologista Milena Perez Mak, médica clínica da OncoStar e uma das coautoras da pesquisa. Em sua avaliação, esse estudo infelizmente não foi positivo para a sobrevida global: “Teve um desenho estatístico bastante robusto e parte do pressuposto que o braço controle teria uma sobrevida de aproximadamente 10 meses e se atingiu a sobrevida mediana de 13,9 meses para o braço da imunoterapia combinada e 13,5 meses para o regime EXTREME”.


A oncologista ainda destaca que mesmo com essa conclusão, o que chamou a atenção foi um número alto de pacientes que completaram dois anos de tratamento no braço da imunoterapia isolada. Ela também destaca que “para o futuro é preciso avaliar qual seria a melhor subpopulação que se beneficiaria de uma intensificação da imunoterapia”.


Além disso, conclui que nesse momento não há como recomendar esse tratamento como uma terapia padrão. “O caminho para melhorar a resposta imuno dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço talvez não seja essa combinação, mas outras válidas nesse contexto”, diz.


Portanto, mais análises são necessárias para determinar a utilidade da imunoterapia dupla como uma opção de tratamento para SCCHN.


Referência

HADDAD, Robert I: et al. Nivolumab Plus Ipilimumab Versus EXTREME Regimen as First-Line Treatment for Recurrent/Metastatic Squamous Cell Carcinoma of the Head and Neck: The Final Results of CheckMate 651. J Clin Oncol, 2022.


Disponível em:


O tema também foi comentado em episódio do Conexão Cabeça e Pescoço, o nosso podcast, em formato de pílulas.

Confira:

bottom of page