top of page

O sol pode ser um vilão para o câncer de lábio

Dezembro Laranja é o mês de conscientização sobre o câncer de pele, doença que segundo o Instituto Nacional do Câncer – INCA, terá 185.390 novos casos da doença (dos tipos melanoma e não melanoma), em 2022 no Brasil.



Embora o câncer de pele seja o tipo de câncer mais frequente em nosso país, o principal fator de risco para o seu desenvolvimento pode ser prevenido: a exposição ao sol sem proteção.


O sol, quando falamos sobre câncer, é um vilão. Não só no caso do câncer de pele, mas também em relação a um dos tipos de câncer que se desenvolvem na região da cabeça e pescoço, o câncer de lábio. A doença pode se manifestar em toda a região dos lábios, mas é mais comum no lábio inferior, que fica mais exposto ao sol, e em pessoas de pele clara, mas quem tem pele morena ou negra não deve descuidar da proteção também.


O tipo mais comum de câncer de lábio é carcinoma espinocelular.


Sintomas


Geralmente o câncer de lábio é precedido de uma lesão benigna com potencial de malignidade, a Queilite Actínica, que surge em razão da exposição ao sol prolongada e ao longo da vida sem proteção. Quando as células se modificam e se tornam cancerosas, na maioria das vezes apresenta no início alguns sinais como descamação (aquela pele bem fina que solta dos lábios) que pode evoluir para feridas que não cicatrizam. Também pode apresentar inchaço, manchas brancas e vermelhas, bolhas, sensação de queimação, nódulos, sangramento e dor.


Ao observar algum desses sintomas é fundamental procurar avaliação médica, de um especialista de cabeça e pescoço ou de um dermatologista. Como no início o sintoma mais comum é apenas uma descamação, muitas pessoas negligenciam isso e não buscam um médico e o diagnóstico do câncer acaba acontecendo em fases mais avançadas quando o tratamento é mais invasivo. Se descoberto em estágios iniciais as chances de cura superam 90%.

 


Prevenção do câncer de lábio


O câncer de lábio tem como principais causas a exposição excessiva ao sol sem proteção, o tabagismo e consumo excessivo de bebida alcoólica


Todos esses fatores podem ser evitados. Confira as formas de prevenção:


  • Exposição ao sol: o contato com os raios ultravioletas do sol é acumulativo e os danos podem aparecer a longo prazo, por isso, evite a exposição ao sol em horários de maior intensidade dos raios UV, das 10 horas às 16 horas. Utilize protetor solar labial e corporal com fator de proteção acima de 30, chapéu e bonés.

  • Não fume nenhum produto derivado do tabaco (cigarro, narguilé, charuto, cachimbo, cigarro de palha)

  • Bebidas alcoólicas devem ser consumidas com moderação

bottom of page