top of page

Estudo aponta que radioterapia de IMRT otimizada para disfagia alivia o sintoma do paciente





Em pacientes diagnosticados com câncer de cabeça e pescoço, as opções de tratamento incluem cirurgia, quimioterapia, imunoterapia e radioterapia. Todos as modalidades listadas apresentam benefícios e riscos. A disfagia representa uma condição bastante comum e, muitas vezes, de difícil tratamento.


Porém, resultados de um estudo de fase 3, publicado na revista The Lancet Oncology, apontam que o tratamento com radioterapia de intensidade modulada (IMRT) otimizada para disfagia (DO) melhorou a função de deglutição relatada pelo paciente em casos de câncer de faringe em comparação com IMRT padrão.


No artigo “Dysphagia-optimised intensity-modulated radiotherapy versus standard intensity-modulated radiotherapy in patients with head and neck cancer (DARS): a phase 3, multicentre, randomised, controlled trial”, pesquisadores de institutos britânicos (Irlanda e Reino Unido) avaliaram que a radioterapia de intensidade modulada otimizada para disfagia (DO-IMRT) demonstrou melhoras para o câncer de cabeça e pescoço em função de deglutição quando comparada com a IMRT padrão.

 

Neste estudo multicêntrico, randomizado e controlado em 22 centros de radioterapia, foram incluídos pacientes registrados de 24 de junho de 2016 a 27 de abril de 2018, sendo cadastrados 118 pacientes, dos quais 112 foram designados para atendimento, com 56 pacientes em cada braço de tratamento. A idade média dos pacientes foi de 57 anos.


Os pacientes foram designados aleatoriamente na proporção de 1 para 1 para receber DO-IMRT ou IMRT padrão durante seis semanas. O acompanhamento médio foi de 39,5 meses. Os pacientes do grupo DO-IMRT tiveram um escore composto MDADI significativamente maior – melhor função de deglutição – aos 12 meses versus aqueles do grupo IMRT padrão (pontuação média de 77,7 vs 70,6.)


Convidado para comentar os resultados ao GBCP, o médico radio-oncologista Icaro Carvalho, do Hospital Israelita Albert Einstein, afirma ser um estudo interessante: “é uma forte evidência de que podemos reduzir o risco de disfagia de câncer de cabeça e pescoço nesses pacientes tratados com radioterapia”.


No artigo, os pesquisadores concluem que “os achados sugerem que a DO-IMRT melhora a função de deglutição relatada pelo paciente em comparação com a IMRT padrão. A abordagem DO-IMRT deve ser considerada um novo padrão de tratamento para pacientes que recebem radioterapia para câncer de faringe”.


Referência do estudo Nutting C, Finneran L, Roe J, Sydenham MA, Beasley M, Bhide S, Boon C, Cook A, De Winton E, Emson M, Foran B, Frogley R, Petkar I, Pettit L, Rooney K, Roques T, Srinivasan D, Tyler J, Hall E; DARS Trialist Group. Dysphagia-optimised intensity-modulated radiotherapy versus standard intensity-modulated radiotherapy in patients with head and neck cancer (DARS): a phase 3, multicentre, randomised, controlled trial. Lancet Oncol. 2023 Aug;24(8):868-880. doi: 10.1016/S1470-2045(23)00265-6. Epub 2023 Jul 6. Erratum in: Lancet Oncol. 2023 Aug;24(8):e328.


Disponível em:


Toda a temática também foi comentada em episódio do Conexão Cabeça e Pescoço, o podcast, em formato de pílulas, do GBCP.




bottom of page